ANATEL e o modelo neoliberal

Já cansei de escutar a seguinte frase: “graças a Deus que o FHC privatizou a telefonia no Brasil! Veja a evolução que teve depois da privatização. Ah, e no caso de problemas, temos a figura da agência reguladora, que fiscaliza as novas empresas privadas.”

Pois sim… para os que defendem esse modelo, sinto muito informar que a última pedra (a agência reguladora) é quase que uma parceira das telefônicas (pra citar só o exemplo desse nicho – vocês precisam conhecer a AGETRANSP daqui do Rio). Não acreditam? Vejam esta reportagem:

http://www.band.com.br/jornaldaband/conteudo.asp?ID=100000418377

Não bastasse isso, a dita concorrência se limita apenas às redes celulares e mais recentemente tem ocorrido com os provedores de banda larga, mas em menor escala. Quando é telefone fixo, temos pouquíssimas opções. Até dois anos atrás, era monopólio para cada região do país. E mais: a ANATEL deveria estimular a competição, mas com o intuito de criar uma tele nacional forte, modificou as regras, com a ajuda do Governo Federal para que a Oi pudesse se fundir com a BrT. Seria a Supertele! A empresa nacional que ajudaria a combater a entrada de estrangeiros. Há! Há alguns meses, depois de não conseguir saldar suas imensas dívidas, a tal BrOi teve 30% comprada por… PORTUGUESES.

Finalmente, a questão tecnológica. Em 1998, data das privatizações, não era daquele tempo que já se pensava nisso. Como fazer quando você quer se livrar de algo e rápido? Vende barato. Como vender barato? Deixa apodrecer. Vendeu-se a idéia de que as teles estatais eram completamente ineficientes, o que era MENTIRA. Não só isso: cortaram todos os investimentos, fazendo com que as empresas não conseguissem fazer as inovações necessárias para a sua evolução, ficando atrasadas em relação a outros países. As redes celulares CDMA e GSM mal tinham se consolidado nos EUA e Europa, respectivamente, nessa época. Que dirá no Brasil. Então, foi uma grande coincidência. E, pra quem se lembra, celular só estourou mesmo por aqui em 2000. Antes, tinha até rede ananógica.

Então, antes de defender de novo, com os argumentos de marketing que foram utilizados para vender barato o patrimônio nacional, pensem um pouquinho mais. Para os que possam pensar que sou comunista, lêdo engano. Na Suiça, esse modelo deve funcionar perfeitamente. No Brasil, é o Brasil.

Anúncios
Esse post foi publicado em Lugar comum e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para ANATEL e o modelo neoliberal

  1. Dona Mila disse:

    Antes era TELERDA, aí passou pra TELEMERDA.

  2. Marcelo disse:

    E não foi? Na época da Telerj, me lembro de ter esperado uns 5 minutos para dar linha uma vez. Tem noção? Eu até acho que a privatização tinha que ser feita mesmo, mas não do jeito que foi. Não mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s